Ciência e Saúde

BITCOIN: UMA MONTANHA RUSSA VIRTUAL

A bitcoin terá começado a dar que falar em 2011 e desde então foi valorizando exponencialmente, sendo que só este ano, a bitcoin valorizou 1700%. Com a fama da bitcoin a aumentar, a União Europeia quer introduzir legislação para regular as moedas virtuais.

Com valorizações de 25% por dia surge um sinal de alarme. Para os especialistas, não há nada que justifique este tipo de valorização, tratando-se apenas de especulação. Depois de dias a bater recordes, o preço da bitcoin começa a descer.

O ministro Francês das finanças, Bruno Le Maire, transmitiu a sua intenção de considerar uma regulação conjunta com os restantes países do G20 a partir do próximo ano. O objectivo é impedir que este tipo de moedas virtuais sejam utilizadas para lavagem de dinheiro.

A bitcoin surgiu em 2009 com o objectivo de criar um mundo de transacções financeiras sem comissões bancárias, no qual todas as transacções fossem registadas e acessíveis ao público, embora sem ser possível identificar quem as fez. Trata-se de um sistema auto-regulado, já que não é controlado por nenhuma autoridade, mas em vez disso, distribuído pelos milhares de computadores das pessoas que a usam, e que partilham uma espécie de balanço global que impede qualquer máquina individual de agir à margem das regras do sistema.

A sua aquisição pode ser feita de duas formas: comprando-as ou minando-as. Esta última consiste em computadores colocados a processar um algoritmo muito complexo e que são recompensados com moedas, num máximo de 21 milhões de bitcoins. Esse limite, no entanto, apenas deverá ser atingido daqui a um século. Qualquer pessoa pode ser um mineiro de bitcoins, no entanto a fraca capacidade dos computadores normais torna muito lenta a criação de moedas.